É mês das energias renováveis e com post duplo!

 

No intuito de mostrar ao leitor interessado em “ER” opções de futuros empregos, neste post estão os links de algumas das maiores empresas de energias renováveis do país. Mais informações entrem em contato com a página do PET-Elétrica UFC.

Renova Energia – http://www.renovaenergia.com.br/

Wöbben WindPower – http://www.wobben.com.br/

Suzlon – http://www.suzlon.com/

Omega Energia – http://www.omegaenergia.com.br/

Kwara.Energia do Brasil – http://kwara.com.br/pt/inicio

 

Dúvidas ou informações – https://www.facebook.com/PetEletricaUfc

 

Áreas da Engenharia Entra em um novo mês

É com imenso prazer que se trás aos alunos do curso de engenharia elétrica da Universidade Federal do Ceará (UFC) mais um mês do projeto “Áreas da Engenharia”.

Este mês trata do tema energias renováveis e para inicia-lo de maneira diferenciada segue o banner apresentado pelos alunos do curso nas feiras de profissões e  em encontros universitários.

Aproveitem !

Sistemas com Energias Renováveis

 

 

 

Desafio Tecnológico 2014

Estão abertas as  inscrições para o II Desafio Tecnológico. O evento ocorrerá concomitante a SEEL que ocorrerá entre os dias 22 e 24 de outubro de 2014.

Esperamos sua presença!

Em anexo o edital da competição. Edital DTec2014


 blog

 

Link Para Inscrição DTec : https://docs.google.com/forms/d/1kpb3U31cjcak7XHoXqP814ZIYHuL-7cRkzOovwVh4gQ/edit

Link Página DTec Facebook: https://www.facebook.com/DTec2014

Link Site PET – Engenharia Elétrica: http://www.peteletrica.ufc.br/

Bitucas de cigarro podem ser usadas para fabricar supercapacitadores

Um grupo de cientistas sul-coreanos parece ter encontrado uma função muito útil para as bitucas de cigarro. Em estudo publicado na revista científica Iop Science, eles apresentam este resíduo como uma matéria-prima ideal para a fabricação de supercapacitadores.

Os pesquisadores fizeram testes e descobriram que, de uma forma simples, os filtros de cigarro podem se transformar em um material mais eficiente que o grafeno e os nanotubos de carbono, usados nos sistemas tradicionais de grandes capacitadores.

Essa tecnologia é utilizada para armazenar energia em carga elétrica e não em reações químicas, como acontece com as baterias. Dessa forma, eles podem carregar e descarregar com muita rapidez. Seu principal uso é industrial, mas eles têm sido aplicado com muita frequência em sistemas de produção e armazenamento de energia eólica.

As opções para o reaproveitamento das bitucas de cigarro ainda são poucas, para um resíduo altamente poluente. Portanto, o desenvolvimento de novas alternativas acaba sendo tão importante.

O material reaproveitado pelos sul-coreanos nos experimentos é o acetato de celulose de fibra sintética. De acordo com a pesquisa, quando ele é aquecido na presença de azoto, torna-se um material poroso à base de carbono, de alta eficiência para carregar e descarregar elétrons. Ainda não existe uma indústria, para isso, mas os bons resultados já são um ótimo começo.

blog

 

FONTE:http://ciclovivo.com.br/noticia/bitucas-de-cigarro-podem-ser-usadas-para-fabricar-supercapacitadores

MIT encontra mais uma utilidade para os drones: assistente fotográfico

Não é necessário ser fotógrafo profissional para saber que a iluminação é um dos aspectos que mais influenciam na qualidade de uma foto. Esta constatação descreve um desafio, já que, não raramente, encontrar a intensidade ideal exige muitos ajustes e tentativas. Para ajudar nestas situações, uma turma de pesquisadores do MIT criou um “assistente fotográfico” deveras inusitado: um drone…

drone_mit_luz

O uso destas aeronaves para registro de vídeos e fotos, sobretudo em tomadas aéreas, tornou-se comum. Mas o drone do MIT, que foi feito em parceria com a Universidade de Cornell, deixa este trabalho para quem entende do assunto. A sua função é sobrevoar o assunto a ser fotografado para prover a iluminação mais adequada.

Cabe ao fotógrafo indicar parâmetros como ângulo e níveis de iluminação desejados. Na sequência, o drone recebe estas informações e então se coloca à distância mais adequada para direcionar a fonte luminosa que o equipa, assim como na posição indicada – mais à esquerda, um pouco acima do assunto e assim por diante.

As instruções são repassadas ao drone a partir de um computador, mas também é possível fazê-lo se posicionar de maneira automática: se o fotógrafo se mover para um lado, a pequena aeronave pode fazer o mesmo sozinha para compensar uma perda de iluminação consequente ou o surgimento de uma sombra indesejada.

Manohar Srikanth, um dos pesquisadores por trás do projeto, explica que, para este fim, a máquina fotográfica envia ao computador imagens para serem analisadas pelo software de controle. Neste procedimento, os algoritmos verificam se a iluminação está dentro dos parâmetros estabelecidos e então corrigem o posicionamento do drone imediatamente, se necessário.

drone_mit_luz_3

Todo o processo é bastante rápido, uma vez que a câmera pode ser ajustada para enviar cerca de 20 fotos por segundo ao computador. Assim, o fotógrafo tem liberdade para mudar sua posição tantas vezes quantas forem necessárias sem ter que parar para corrigir os focos de luz.

O projeto já é funcional, tanto é que, em um simpósio que irá ocorrer no mês que vem, um protótipo fará uma demonstração de “iluminação de borda”, um efeito difícil de ser criado onde apenas o contorno do assunto deve ser fortemente iluminado.

drone_mit_luz_2

As etapas futuras poderão ser ainda mais audaciosas: os pesquisadores vislumbram a possibilidade de utilizar não um, mas vários drones para criar efeitos de iluminação tão complexos que, pelas vias tradicionais, exigiriam uma equipe relativamente grande de assistentes.

FONTE:http://tecnoblog.net/159604/mit-drone-assistente-fotografia/?fb_action_ids=10204315623116886&fb_action_types=og.likes&fb_source=other_multiline&action_object_map=%5B653821751372815%5D&action_type_map=%5B%22og.likes%22%5D&action_ref_map=%5B%5D

Máquina troca garrafas plásticas por ração para cães abandonados

A empresa turca Pugedon teve uma ideia genial para incentivar as pessoas a reciclarem. Através de uma máquina instalada nas ruas, os cidadãos podiam descartar garrafas plásticas e, em troca, alimentar cães e gatos desabrigados.

A ação ocorreu em abril deste ano, com a máquina sendo instalada em um parque de Istambul. O equipamento usado possui espaço apropriado para o descarte do líquido nas garrafas (no caso de ser água, ela é destinada aos próprios animais), enquanto o plástico vai para outro compartimento.

Assim que a pessoa faz o descarte, a máquina libera uma quantidade de ração equivalente à quantidade de material depositado. Ela fica disponível em uma abertura na altura dos animais e qualquer cão ou gato desabrigado pode se servir à vontade.

pugedonturquia

Veja abaixo o vídeo da ação:

FONTE:http://ciclovivo.com.br/noticia/maquina-troca-garrafas-plastica-por-racao-para-caes-abandonados

Will.i.am lança impressora 3D que reaproveita garrafas PET

O rapper e produtor musical norte-americano Will.i.am assina a criação de uma impressora 3D que usará garrafas plásticas como matéria-prima. Apelidada de Ekocycle Cube a tecnologia deve chegar o mercado no segundo semestre deste ano.

Este não é o primeiro trabalho na área de design e tecnologia que conta com a participação do vocalista da banda Black Eyed Peas. No currículo o cantor tem a criação de um relógio inteligente e o desenvolvimento de alguns modelos de fones de ouvido da famosa marca internacional Beats, recentemente adquirida pela Apple.

A impressora Ekocycle Cube está sendo fabricada pela 3D Systems, em parceria com a Coca-Cola. Wiil.i.am foi o diretor de criação do equipamento que utiliza 25% de materiais recicláveis a cada cartucho de impressão. De acordo com a empresa, isso é equivalente a três garrafas plásticas reaproveitadas.

“Vamos tornar a reciclagem e a criação de produtos feitos com materiais reaproveitados mais legais. Este é o início de um estilo de vida mais sustentável para impressões-3D”, declarou o músico em comunicado oficial.

A expectativa é de que a máquina comece a ser vendida ainda neste ano. A estimativa de preço para o lançamento é de US$ 1.199. A Ekocycle Cube é capaz de imprimir os mais diferentes objetos com até 15 centímetros, nas cores: vermelho, preto, branco e natural. Para facilitar a criação, os usuários contarão com um aplicativo para celular que envia diretamente as imagens à impressora.

blog

Fonte:http://ciclovivo.com.br/noticia/will-i-am-lanca-impressora-3d-que-reaproveita-garrafas-pet

“Livro Potável” tem páginas que funcionam como purificador de água

blog

A agência DDB de Nova York, juntamente com a organização Water is Life, lançou recentemente o “Livro Potável”. A criação é uma espécie de manual com dicas e informações sobre saneamento, mas que possui uma função a mais: ele é capaz de purificar a água.

O livro é fabricado com um novo tipo de papel, criado pela McGill University, em parceria com a University of Virginia. Cada uma das páginas utilizadas é revestida com nanopartículas de prata, capazes de reter poluentes e elementos causadores de doenças como a cólera, por exemplo. Até mesmo a tinta usada para escrever as mensagens e dicas é comestível.

O funcionamento é muito simples e o preparo para o uso é feito em apenas três passos. Primeiro é necessário destacar uma das folhas do livro – elas já vêm marcadas e prontas para serem usadas sempre na mesma medida. O segundo passo consiste em encaixar a página no recipiente e por último basta despejar a água sobre a folha.

Após passar por este filtro, a água contaminada é considerada potável. De acordo com os fabricantes, o resultado é uma redução de 99,99% na quantidade de bactérias presentes na água, tornando-a semelhante à água disponível na torneira, que passa por tratamento.

Cada um dos livros possui 24 páginas, cada uma com dois filtros. A mesma folha pode ser usada para a purificação durante até 30 dias. Desta forma, com apenas um livro, a pessoa pode ter água potável por até quatro anos.

“O papel filtro do ‘Livro Potável’ vai revolucionar a purificação de água. Ele custa apenas alguns centavos para ser produzido, tornando-se de longe a opção mais barata do mercado”, declarou o CCO da DDB de Nova York, Matt Eastwood, no site da empresa.

Através da organização Water is Life, o livro deve ser distribuído em comunidades que não possuem acesso às redes de saneamento básico e distribuição de água potável. 

Fonte:http://ciclovivo.com.br/noticia/livro-potavel-tem-paginas-que-funcionam-como-purificador-de-agua

Robô industrial móvel vai montar aviões

Robôs industriais são fixos, o que impede que se alcance a flexibilidade que as fábricas do futuro prometem. Engenheiros europeus acreditam que a coisa pode ser tão simples quanto dar rodas aos robôs industriais.

O problema é que não é tão simples quanto parece.

O primeiro desafio é fazer um robô móvel que tenha a mesma precisão que os robôs industriais tradicionais, que ficam firmemente ancorados em uma base. O segundo é garantir que o robô móvel entenda-se bem com seus companheiros humanos, não correndo o risco de ferir os trabalhadores.

Os engenheiros do projeto Valeri (Validation of Advanced, Collaborative Robotics for Industrial Applications) acreditam ter conseguido as duas coisas.

“Quando nós juntamos elementos da fuselagem, precisamos aplicar grandes quantidades de selante nas juntas. Os robôs móveis podem assumir esse trabalho muito bem,” garante José Saenz, coordenador do projeto.

De fato, embora sejam o cerne de todas as fábricas de automóveis, os robôs industriais fixos não se dão muito bem nas linhas de montagem de aviões.

Como não dá para ficar movimentando o avião como se faz com os carros, então os robôs é que terão que se mover.

Demonstração do espaço de trabalho do omniRob, desenvolvido com o robô da empresa Kuka Imagem: Valeri Project/ Kuka

Pele robótica e liberdade

Para garantir uma “segurança 100%”, Saenz e sua equipe equiparam a plataforma móvel com câmeras e interfaces sensíveis ao toque, além de uma camada de amortecimento em todo o robô.

Os sensores funcionam como uma pele artificial – ao menor contato, o robô pára, ou se move em outra direção.

Outro ganho com a mobilidade foram os 12 graus de liberdade obtidos pelo robô, cujo protótipo foi batizado de omniRob.

“O que é único em nosso sistema é o movimento coordenado de todos os graus de liberdade. Enquanto a plataforma de condução se move, o manipulador se move ao mesmo tempo. Não existia até agora um sistema deste tipo com um raio de ação tão grande,” disse Saenz.

Assista ao vídeo institucional (em inglês) sobre o projeto:

http://www.youtube.com/watch?v=bvzvyX7Xn-U

 

Fonte: http://www.cimm.com.br/portal/noticia/exibir_noticia/11772-robo-industrial-movel-vai-montar-avioes